radio
POLITICA
Em nota, vereador suspeito de compra de votos em Murici rebate acusações
Conforme investigações, Eduardo Oliveira teria distribuído tijolos para moradores em nome de deputados
22/09/2018 11h07Atualizado há 8 meses
Por: Redacao
Fonte: G1
104
ELEICOES 2018
ELEICOES 2018

Após os desdobramento da Operação de combate à compra de votos no município de Murici, nessa sexta-feira (21), o vereador Eduardo Oliveira (MDB), um dos principais alvos da força-tarefa, encaminhou uma nota à imprensa, rebatendo as acusações que lhe foram feitas. 

 

 

Na nota, o parlamentar, que é proprietário de um depósito de material de construção e teria distribuído tijolos em nome de deputados envolvidos na investigação, informou que todas as notas fiscais das vendas dos produtos foram apresentadas à Justiça e que todos os citados continuam colaborando com as investigações até a elucidação do caso. 

CONFIRA NOTA NA ÍNTEGRA

A assessoria do Vereador Eduardo Oliveira vem a público esclarecer os fatos divulgados ontem em alguns sites de notícias no qual citavam o nome do mesmo em uma investigação do crime de compra de votos.

Informamos que todas as notas fiscais das vendas dos produtos foram apresentadas à Justiça e que todos os citados continuaram colaborando com as investigações até a elucidação do caso. 

Lamentável a postura de alguns adversários políticos em apontar denúncias falsas apenas por desespero e ganância da hegemonia do poder.

Confiamos na Justiça e na população muriciense que não deixará que jogos políticos influenciem na vontade de mudança do nosso estado, da nossa cidade. 

A OPERAÇÃO

A força-tarefa foi desencadeada por militares do 2º Batalhão de Polícia Militar (BPM), que conduziram, pelo menos, 15 pessoas ao Fórum de Murici, a fim de colher informações sobre denúncia de compra de votos envolvendo a distribuição de materiais de construção em nome de dois deputados estaduais - sendo um deles candidato à vaga na Câmara Federal nas eleições deste ano. Na ocasião, também foi encontrado material de campanha de dois candidatos ao Senado e de um candidato ao Governo do Estado.

Os militares percorreram três conjuntos habitacionais: Pedro Tenório, Olavo Calheiros I e Olavo Calheiros 2, flagrando tijolos dispostos nas calçadas de várias residências, o que reforça o conteúdo da denúncia. 

Em todas as casas que foram alvos dos mandados, o promotor eleitoral e titular da Comarca de Murici, Marcos Mousinho, que está à frente das investigações, também flagrou sacos de cimento. Já a quantidade de tijolos variava entre 300 e 1 mil unidades por residência. 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários